Palavra de Campeã: em Lauro de Freitas, Sarah Menezes quer estimular crescimento do Judô

0 21
Campeã olímpica em 2012, paraibana ministrou palestra no Centro Pan-Americano de Judô

Era 28 de julho de 2012, quando uma pequenina judoca  piauiense de apenas 1,54 de altura, se agigantou na Olimpíada de Londres e alcançou a maior glória que um atleta de alta performance pode sonhar: o ouro olímpico.

Sarah Menezes tinha 22 anos na época, mas já disputava os jogos pela segunda vez. Em Pequim-2008, foi derrotada e eliminada da competição logo na primeira rodada. O destino provou que o sonho havia sido adiado. Primeira mulher a conquistar uma medalha de ouro para o Judô em Jogos Olímpicos, a nordestina busca, em Salvador, inspiração para voltar a brilhar.

campea

A campeã ministrou uma palestra no Centro Pan Americano de Judô, em Lauro de Freitas, no último sábado, promovida pela Sport for Kids em parceria com a Associação Nippon e a Federação Baiana de Judô, e contou um pouco da sua trajetória para os  atletas baianos, além de participar também dos exames de faixas de alguns judocas, que receberam a nova graduação das mãos da própria Sarah.

“A ideia é que esse centro de referência que temos aqui seja utilizado pela população e estimule o crescimento do judô. Sarah é nordestina, de origem próxima a nós. Ela traz muita experiência e alcançou a glória do atleta que é a conquista olímpica”,  disse Bruno Maia, anfitrião do evento. Décima colocada no ranking mundial, Sarah ficou fora dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, mas está se preparando para o Mundial de Astana, no Cazaquistão, a partir do dia 24.

“Foi planejamento. A comissão vem trabalhando isso comigo e quanto menos competição eu participar é melhor pro meu rendimento. Após Londres-2012, passei oito meses afastada, descanso mesmo da Olimpíada, e fui voltando aos poucos. Fui campeã do Pan de Judô e as pessoas às vezes esquecem.  Tive altos e baixos como qualquer atleta de alto rendimento. Agora, tô me preparando pro mundial  no finalzinho do mês”, esclareceu.

O objetivo é conquistar mais um título e voltar a estar entre as Top 5 do ranking. “O Mundial tem pontuação muito elevada e depois tem outras competições, como o Grand Slam. Não sei ainda quais irei participar. Sendo campeã mundial, devo ir pra poucas competições esse ano. É um título que eu quero que esteja no meu currículo. Não ser apenas medalhista”, afirmou a atleta, confiante.

Independentemente das outras competições que ainda terá pela frente, a possibilidade de defender o título olímpico no Brasil, ano que vem, é algo que não sai da cabeça. “Já imagino há muito tempo. Fico muito feliz da Olimpíada ser em casa, mais emocionante, aconchegante, com a família perto. Tô muito orgulhosa de ir pra mais uma Olimpíada e quero brilhar no tatame pra trazer mais uma conquista pro judô feminino”, garante.

Trajetória
O começo no esporte foi aos 9 anos, na escola, mas até o primeiro contato, Sarah Menezes tinha outra grande paixão. “Desde criança gosto muito de animais e sempre pensei em ser médica veterinária. Com 9 anos conheci o esporte na escola. A brincadeira foi prolongando, começaram as competições e aí esqueci”, contou.

Sarah teve apenas dois treinadores quando ainda era criança, antes de seguir com o atual técnico, Expedito Falcão, que também esteve em Salvador participando do seminário técnico. Com ele, a identificação com o esporte cresceu ainda mais e competir passou a se tornar um vício.

“Desde pequena fui muito competidora na vida. Nas brincadeiras, gostava de ganhar e vencer meus amigos. No judô, como tinha que derrubar o colega, eu gostava de ir pra cima, determinada. Vi que poderia ser uma grande atleta com  uns 15, 16 anos. Pensei em desistir em um momento, mas conquistei meu espaço”, afirmou.

O Mundial de Astana começa dia 24 e vai até 30 de agosto. Além de Sarah, outros 16 judocas foram convocados para representar o Brasil. Homens e mulheres estão divididos em sete categorias diferentes de peso. Sarah e Nathália Brígida lutam na categoria até 48kg e são consideradas esperanças de medalhas no feminino.

Fonte: Correio da Bahia
Comentários
Loading...