Coronel diz que PM torturado e morto confiava no Nordeste de Amaralina por ser “nascido e criado” no bairro - Burburinho News

Coronel diz que PM torturado e morto confiava no Nordeste de Amaralina por ser “nascido e criado” no bairro

Na oportunidade, o coronel confirmou que as operações em busca dos autores do crime continuam em curso pela polícia militar.

0 2.145

O Coronel da Polícia Militar Paulo de Tarso Alonso Uzêda fez questão de realizar pronunciamento para população, na manhã desta segunda-feira, após o assassinato cruel do Cabo Gonzaga. O policial militar Gustavo Gonzaga da Silva, 44 anos, foi morto brutalmente por traficantes no bairro da Santa Cruz, em Salvador, neste final de semana.

O comandante destacou o momento triste que a tropa vive, destacando que o Cabo Gonzaga tinha admiração dos policiais. “Realmente é uma tristeza muito grande que se abate sobre a tropa inteira, ontem podemos ver como o cabo Gonzaga era querido, uma pessoa que conheci. Major Normando de deslocou de Seabra para cá (Salvador) para prestar homenagem, para você ver o quanto ele era querido”, disse em entrevista a rádio Metrópole.

Na oportunidade, o coronel confirmou que as operações em busca dos autores do crime continuam em curso pela Polícia Militar. “A investigação está caminhando. Estamos trabalhando, não podemos agir com coração, mas temos que agir com a Constituição e a lei embaixo de nosso braços. A polícia é última linha de defesa entre a legalidade e a barbárie, mas a sociedade baiana clama pela resposta”.

Coronel Uzêda descartou a informação de que o policial teria seus órgãos retirados do corpo, classificando como “fakenews” (notícia falsa). Bem como, disse que não sabe informar sobre a veracidade da informação que existe uma filmagem da ação dos criminosos.

“O crime em si foi de uma crueldade imensa, ele confiava muito em ter nascido e criado no Nordeste, os elementos chegaram e passaram a agredi-lo e culminou na morte cruel dele com muitos disparos e alguns cortes feitos a facão pelo corpo dele”, concluiu coronel Uzêda.

Comentários
Loading...