Portal de Notícias de Lauro de Freitas e Região Metropolitana de Salvador Burburinho News

Baiano que tem cabeça virada para trás lança biografia em Salvador

0 7
Governo do Estado

RTEmagicC_85e7d26b08.jpegO baiano Claudio Vieira de Oliveira, 40 anos, portador de uma rara doença que o deixa com o pescoço virado para trás, vai lançar nesta terça-feira (5), a partir das 18h30, na Livraria Cultura do Salvador Shopping.

O livro ‘Mundo está ao Contrário’, que conta a sua história de vida e como lidou com a doença, será lançado também no centro espírita Mansão do Caminho, na quinta (7), às 19h. Ele hoje se dedica a ministrar palestras motivacionais.

Nascido em Monte Santo, no interior baiano, Claudio nasceu com a cabeça para trás e os braços e pernas atrofiados. Os médicos chegaram a aconselhar que os pais nem o alimentasse, pois ele não sobreviveria por muito tempo. Porém, o rapaz não só sobreviveu, como se formou em contabilidade e hoje atua como palestrante motivacional.

Em 2013, Claudio teve a história contata em um documentário da rede de televisão inglesa Discovery Science e no ano seguinte se apresentou nas cidades americanas de Elizabethtown e Chicago. “De uma hora para outra, me virei e passei a me arrastar de joelhos. Ganhei autonomia impensável para a minha família”, conta ele em entrevista à Folha de S. Paulo.

O primeiro contato com a escrita aconteceu aos seis anos, quando usava a boca para escrever. Ele contou com a ajuda de um amigo, que o carregava nos braços, para cursar o ensino médio. E foi mais longe ao ingressar na Faculdade de Feira de Santana. Também em 2013, Claudio foi suplente de diretor do Sindicato dos Contabilistas da Bahia.

RTEmagicC_dc8c031899.jpgUma das experiências mais emocionantes aconteceu no ano 2000, quando conheceu o Papa João Paulo II, depois de ter a história contada por um amigo que escreveu ao Vaticano. “Meu trabalho é dar palestras motivacionais em empresas. Acho que nasci designado a cumprir uma missão: ser exemplo de perseverança e superação. Mostro que podemos enfrentar todos os problemas e obstáculos. Temos que aceitar a vida e vivê-la. Gosto de sair com os amigos, danço, namoro, viajo, faço tudo. Essa motivação é fruto de minha família, que nunca me enxergou como um deficiente. Isso me fortalece”, contou à época.

No ano passado, um grupo de pesquisadores da universidade americana de Havard e de Brunel, em Londres, estiveram no interior baiano para para examinar Claudio. Eles chegaram a oferecer uma uma cirurgia corretiva experimental nas qual as chances de sucesso de corrigir o pescoço sem que ele fique paralisado da cabeça para baixo é de menos de 10%, mas o rapaz recusou.

“Não queri, nesta altura da vida, aos 40 anos, mexer em um corpo que foi obrigado a se adaptar por décadas.E se eu ficar ainda mais dependente? Mil vezes ser assim e poder viajar, sair com amigos, conhecer pessoas”, explica.

Fonte: Correio 24 horas

Comentários
Loading...